Especialistas apontam as expectativas para o setor de infraestrutura nos próximos anos

29 November 2018

Tom de otimismo em relação ao crescimento do setor marcou o seminário, que foi promovido pela JLT, em parceria com o BTG Pactual e a NWADV

Seminário de Infraestrutura

O setor de infraestrutura é um dos mais importantes para o desenvolvimento de um país. Não é à toa que o presidente eleito Jair Bolsonaro anunciou a volta de um Ministério dedicado ao assunto. Os investimentos no setor e o crescimento da área nos próximos anos foram os temas do seminário realizado no dia 26 de novembro pela JLT, em parceria com o BTG Pactual e a NWADV. O evento contou com palestras de especialistas, como do economista, Ricardo Amorim, do ex-ministro do STF, Nelson Jobim, e da VP de riscos de Garantia, Credit & Political Risk JLT, Tatiana Moura. 

Ricardo Amorim fez um balanço da economia de países da América Latina, com foco no Brasil, onde ele percebe que existe uma onda de otimismo, o que resulta em mais investimentos em diversos setores, inclusive em infraestrutura.

“A medida que as expectativas melhoram, o apetite por projetos de infraestrutura cresce. Nos últimos oito trimestres, o Brasil cresceu economicamente. Se isso aconteceu antes da eleição presidencial, agora teremos uma aceleração bem maior, pois existe um otimismo em relação ao que vai acontecer no país, pelo menos na área econômica”, explica. 

O economista apresentou um ranking internacional de desenvolvimento de infraestrutura, no qual o Brasil está numa colocação pouco expressiva. De acordo com Amorim, esse resultado está diretamente ligado à situação econômica do país. Ele ressaltou que, após a maior contração econômica vivida pelo Brasil, é hora de aproveitar o momento, que ele enxerga como favorável para quem quer investir no país. 

“É muito difícil imaginar que vamos entrar em uma situação como essa novamente no próximo ano. A quantidade de recursos não utilizados que o país tem hoje e que podem ser recolocados para funcionar e, por consequência, permitir que o Brasil cresça sem gerar pressões inflacionárias de contas externas, nunca foi tão grande. As maiores taxas de crescimento vêm após as grandes crises”, ressalta.

Tendo em vista o otimismo do mercado em relação à economia do país e, consequentemente, ao setor de infraestrutura, Tatiana Moura, VP de riscos Garantia, Credit & Political Risk da JLT, e Marcus Pessanha, sócio e head de direito regulatório e infraestrutura na NWADV, falaram sobre Garantia e Project Finance. A conversa foi mediada pelo jornalista Carlos Andreazza. 

Tatiana explica que o perfil de empreendedores no Brasil mudou bastante nos últimos anos. Antes, tínhamos grandes empreiteiros que figuravam como sócios dos empreendimentos e muitas vezes também como participantes do consórcio construtor. Hoje, os empreendedores são na sua grande maioria, especialistas do setor, private equities, empresas estrangeiras e até mesmo operadores do setor, que precisam desenvolver projetos para escoar sua produção.

“Com essa mudança, deixamos de ter os grandes balanços patrimoniais dando respaldo à estruturação dos projetos. Nesse novo cenário, temos que parar de fazer “Corporate Finance” para efetivamente fazer “Project Finance”. Com isso surge a importância do mapeamento dos riscos e sua correta alocação junto aos Stakeholders, para que todos assumam sua parcela de risco e sejam remunerados por isso. Não se pode imaginar por exemplo que o mercado de seguros vai tomar 100% dos riscos sozinho, isso deve ser partilhado” 

Tatiana e Marcus também falaram sobre a burocracia para fazer com que os projetos de infraestrutura sejam consolidados no Brasil. Por isso, eles afirmam que o empreendedor deve ter um plano de contingência, pois os projetos demoram a sair do papel. 

O ex-ministro do STF, Nelson Jobim, fez um balanço sobre a atual situação política do país e ressaltou que a reforma da previdência é algo necessário ao país. Ele também falou sobre a atual bancada governista e sobre o sistema financeiro em relação às obras. A reforma da previdência também foi abordada pelo economista Eduardo Loyo, que é sócio do BTG Pactual. Loyo falou sobre o cenário macroeconômico do Brasil e sobre as expectativas com o governo de Jair Bolsonaro.

O seminário também contou com a presença do CEO da JLT Speciality Brasil, Alvaro Eyler, do CEO do BTG Pactual, Roberto Sallouti, e do presidente da NWADV, Nelson Willians. Os executivos ressaltaram a importância da infraestrutura para o desenvolvimento do país e afirmaram que é preciso pensar nos projetos de infraestrutura de forma diferente do que foi feito nos últimos anos. De acordo com eles, é necessário manter um ritmo constante de investimentos a longo prazo.